Facebook

Atenção: Você está no site Agro Bayer Brasil. O conteúdo deste site é destinado a agricultores e demais profissionais do setor agrícola.

Agro Bayer Brasil Agro Bayer Brasil
 
Find a solution
Find a label

Onde Comprar

Não há resultados.

Tembotrione: uma importante ferramenta para o milho

O manejo de plantas daninhas resistentes e de difícil controle na cultura do milho necessita de estratégias confiáveis

Data

12 novembro 2018

Produto

Localização

São Paulo - SP

A cultura do milho (Zea mays) é de grande importância ao agronegócio brasileiro, sendo a produção brasileira a terceira maior do mundo. No país, esta cultura ocupou uma área de mais de 16 milhões de hectares na safra 2017/2018, sendo dividida em safra de Verão e Safrinha (segunda época), principalmente nos estados do MT, PR, GO e MS onde faz rotação com soja e algodão. Nesta safra a produtividade média brasileira esteve ao redor de 5.500 kg/ha (91,6 sacas de 60 kg por hectare), o que mostra o tamanho da oportunidade que se tem para aumento desta média, visto que há tecnologia hoje disponível para romper a barreira dos 10.000kg/ha.

Importância do manejo de plantas daninhas no milho

A obtenção de elevadas produtividades depende de um manejo eficiente de plantas daninhas, que competem com a cultura por água, radiação solar, nutrientes, espaço e ainda podem interferir negativamente no crescimento da cultura através da produção de compostos alelopáticos. Assim, a mato-competição pode causar perdas produtivas de até 70% nesta cultura, dependendo das espécies de infestantes presentes na área, seu grau de infestação e o tempo de convivência com a cultura, dentre outros fatores. Na cultura do milho, o período crítico de mato-competição, época crítica na qual a cultura deve ser mantida no limpo, inicia-se em geral aos 22 dias após a emergência (DAE) e finaliza-se por volta de 57 DAE.

Principais espécies infestantes

Várias espécies de plantas daninhas infestam os milharais brasileiros. Dentre as principais destacam-se algumas espécies resistentes e de difícil controle, como a corda-de-viola ou corriola (complexo de algumas espécies no gênero Ipomoea), capim-amargoso (Digitaria insularis), capim-colchão (Digitaria horizontalis), a guanxuma (Sida rhombifolia), poaia-branca (Richardia brasiliensis), picão-preto (Bidens pilosa) e a trapoeraba (Commelina benghalensis).

Herbicida tembotrione

Tembotrione é uma importante ferramenta para ser usada em pós-emergência no milho, a qual oferece um amplo espectro de controle com ação sobre várias espécies de folhas largas e várias espécies de folhas estreitas. Para elevado desempenho desse herbicida o estádio das plantas daninhas para aplicação deve ser respeitado, os quais deve ser de até 6 folhas no caso das folhas largas, e até 2 perfilhos no caso das gramíneas. Tembotrione é uma importante ferramenta também no manejo de soja tiguera ou guaxa, a qual muitas vezes sobrevive a aplicações de glifosato.

Importância no manejo da resistência

O herbicida tembotrione controla as plantas daninhas através de um mecanismo de ação adicional ao sistema soja e milho. Assim, esse herbicida é uma importante ferramenta no manejo de espécies resistentes, o que faz com que ele seja um produto bastante utilizado na atualidade.

O tembrotrione tem sido peça chave para um efetivo sistema de rotação de mecanismos de ação de herbicidas o que é prática fundamental para frear a evolução da resistência e prevenção do surgimento de novos casos.

Tudo isso mostra que o tembotrione ao longo de sua história tem ajudado os produtores a manejar as ervas de difícil controle e resistentes, promovendo lavouras limpas com uma única aplicação. Isso faz com tembotrione seja um dos produtos mais lembrados dentro do segmento, o que comprova a satisfação de quem utiliza o produto.

Compartilhar notícia por email

Tembotrione: uma importante ferramenta para o milho

O manejo de plantas daninhas resistentes e de difícil controle na cultura do milho necessita de estratégias confiáveis

Data

12 novembro 2018

Produto

Localização

São Paulo - SP

A cultura do milho (Zea mays) é de grande importância ao agronegócio brasileiro, sendo a produção brasileira a terceira maior do mundo. No país, esta cultura ocupou uma área de mais de 16 milhões de hectares na safra 2017/2018, sendo dividida em safra de Verão e Safrinha (segunda época), principalmente nos estados do MT, PR, GO e MS onde faz rotação com soja e algodão. Nesta safra a produtividade média brasileira esteve ao redor de 5.500 kg/ha (91,6 sacas de 60 kg por hectare), o que mostra o tamanho da oportunidade que se tem para aumento desta média, visto que há tecnologia hoje disponível para romper a barreira dos 10.000kg/ha.

Importância do manejo de plantas daninhas no milho

A obtenção de elevadas produtividades depende de um manejo eficiente de plantas daninhas, que competem com a cultura por água, radiação solar, nutrientes, espaço e ainda podem interferir negativamente no crescimento da cultura através da produção de compostos alelopáticos. Assim, a mato-competição pode causar perdas produtivas de até 70% nesta cultura, dependendo das espécies de infestantes presentes na área, seu grau de infestação e o tempo de convivência com a cultura, dentre outros fatores. Na cultura do milho, o período crítico de mato-competição, época crítica na qual a cultura deve ser mantida no limpo, inicia-se em geral aos 22 dias após a emergência (DAE) e finaliza-se por volta de 57 DAE.

Principais espécies infestantes

Várias espécies de plantas daninhas infestam os milharais brasileiros. Dentre as principais destacam-se algumas espécies resistentes e de difícil controle, como a corda-de-viola ou corriola (complexo de algumas espécies no gênero Ipomoea), capim-amargoso (Digitaria insularis), capim-colchão (Digitaria horizontalis), a guanxuma (Sida rhombifolia), poaia-branca (Richardia brasiliensis), picão-preto (Bidens pilosa) e a trapoeraba (Commelina benghalensis).

Herbicida tembotrione

Tembotrione é uma importante ferramenta para ser usada em pós-emergência no milho, a qual oferece um amplo espectro de controle com ação sobre várias espécies de folhas largas e várias espécies de folhas estreitas. Para elevado desempenho desse herbicida o estádio das plantas daninhas para aplicação deve ser respeitado, os quais deve ser de até 6 folhas no caso das folhas largas, e até 2 perfilhos no caso das gramíneas. Tembotrione é uma importante ferramenta também no manejo de soja tiguera ou guaxa, a qual muitas vezes sobrevive a aplicações de glifosato.

Importância no manejo da resistência

O herbicida tembotrione controla as plantas daninhas através de um mecanismo de ação adicional ao sistema soja e milho. Assim, esse herbicida é uma importante ferramenta no manejo de espécies resistentes, o que faz com que ele seja um produto bastante utilizado na atualidade.

O tembrotrione tem sido peça chave para um efetivo sistema de rotação de mecanismos de ação de herbicidas o que é prática fundamental para frear a evolução da resistência e prevenção do surgimento de novos casos.

Tudo isso mostra que o tembotrione ao longo de sua história tem ajudado os produtores a manejar as ervas de difícil controle e resistentes, promovendo lavouras limpas com uma única aplicação. Isso faz com tembotrione seja um dos produtos mais lembrados dentro do segmento, o que comprova a satisfação de quem utiliza o produto.

Compartilhar notícia por email