Facebook

Importância do controle de soja na cultura do feijão

Devido à similaridade entre as espécies, o controle de soja voluntária em pós-emergência do feijão demanda ferramentas específicas

broto

Uma planta é considerada daninha quando ocorre indesejavelmente em um determinada local em um determinado período. Assim, culturas como a soja e o milho podem ser consideradas plantas daninhas quando ocorrem em outros cultivos e, nesse caso, devem ser controladas para evitar danos. A cultura do feijão é um exemplo, frequentemente cultivado na sequência da soja, pode sofrer com a infestação de soja voluntária e ter seu crescimento e produção reduzidos. A ocorrência de soja voluntária é um problema comum em muitas áreas devido ao degrane natural de vagens e perdas de grãos pela colhedora.

As alternativas de herbicidas para controle da soja em cultivos de feijão são poucas. A semelhança morfológica entre as espécies e por pertencerem à mesma família são fatores que contribuem para isso. O ethoxysulfuron é uma opção de herbicida seletivo indicado para controle de plantas daninhas na pré e pós-emergência da cultura do feijão.

O ethoxysulfuron

É um herbicida do grupo das sulfoniluréias e tem ação inibitória sobre a enzima acetolactatosintase (ALS) bloqueando a síntese dos aminoácidos isoleucina, leucina e valina nas plantas. É um herbicida com ação sistêmica sobre a planta, com translocação tanto ascendente pelo xilema como descendente pelo floema. A seletividade do ethoxysulfuron é devido à diferença existente na tolerância entre as culturas do feijão e da soja a esse herbicida. Todavia, essa tolerância pode ser dependente da dose aplicada do herbicida e da adição de adjuvantes.

Efetividade no controle de soja voluntária

A soja se mostra uma cultura sensível ao ethoxysulfuron o que possibilita que esse herbicida seja aplicado para seu controle. A eficiência de controle da soja é maior para as maiores doses e para à adição de óleo mineral junto à calda. A dose recomendada de ethoxysulfuron no feijão é de 24 a 30 g i.a./ha. 

Posicionamento correto em relação à soja

Maior controle é observado em plantas jovens de soja, até o primeiro trifólio se encontrar totalmente desenvolvido.

A eficiência de controle é altamente dependente da dose absorvida pela soja, assim sendo quanto mais ativo for absorvido, menor será sua capacidade em metabolizar o ativo, maior será o controle. A adição de óleo é benéfico nesse caso por poder contribuir para que maior quantidade de ativo seja absorvida. Todavia, a tolerância das cultivares de feijão são afetadas pela dose e pela adição de óleo.

Sintomas de fitotoxidade no feijão

É recomendada uma única aplicação em pós-emergência precoce do feijão, devendo ser aplicado até o desenvolvimento completo do primeiro trifólio. A aplicação do ethoxysulfuron poderá provocar leve fitotoxidade visual no feijão após a aplicação. Para cultivares mais sensíveis deve-se utilizar a menor dose recomendada que é de 40 g/ha (24 g i.a./ha). Os sintomas são caracterizados por pequenas manchas cloróticas, os quais aparecem dias após à aplicação. À medida que as plantas crescem, os sintomas são recuperados e as folhas novas já não apresentam sintomas. Trabalhos evidenciam que mesmo na presença desses sintomas, a área foliar e a matéria seca total das plantas de feijão não foram afetadas pela aplicação do ethoxysulfuron. Assim, é confirmada à tolerância do feijoeiro a esse herbicida e à possibilidade de uso em pós-emergência.

Recomenda-se que as aplicações sejam feitas em períodos com boa umidade no solo. Evitar aplicar em situações de estresse da cultura.

Arroz, Feijão, Cana de Açúcar Arroz, Feijão, Cana de Açúcar

Gladium é um herbicida indicado para controle de plantas daninhas na cultura do arroz.

Você vai gostar de ler

Produtos para você