Atenção: Você está no site Agro Bayer Brasil. O conteúdo deste site é destinado a agricultores e demais profissionais do setor agrícola.

 
Find a solution
Find a label

Onde Comprar

Não há resultados.

LibertyLink® Trait

Detalhes do Produto

Biotecnologia Disponível

Tolerância a Glufosinato

Embalagens Comercializadas

25 kgs, 40 kgs e 1000 kgs

Classe

Trait

LibertyLink

Plantas daninhas de difícil controle estão de olho na sua produtividade. Mas a Bayer já está de olho nelas. Chegou LibertyLink: a plataforma de controle associada ao herbicida Liberty, que libera todo o potencial produtivo da soja. Abra os olhos para o controle e a produtividade.

Video Thumbnail Video Thumbnail

Bayer apresenta: o resultado de Liberty Link

LibertyLink ajudou o produtor Jandir Comin no controle e na produtividade, e agora ele colheu grandes resultados. Experimente também, você vai se surpreender!

/-/media/bcs-inter/ws_brazil/single-card/libertylink_algodao.png?usecustomfunctions=1&centercrop=1

Algodão

Continue quebrando recorde de produtividade. Agora com liberdade.

Onde Comprar

A Bayer possui revendas em todo o país.

Nenhum resultado encontrado.

Plantas daninhas de difícil controle estão de olho na sua soja.

DE OLHO EM LIBERTYLINK.

LibertyLink é uma plataforma de controle efetiva e inovadora, desenvolvida pela Bayer para liberar todo o potencial produtivo da soja.

Ao aplicar o herbicida Liberty em uma variedade de soja contendo a tecnologia LibertyLink, permite-se um controle de amplo espectro de plantas daninhas, incluindo aquelas resistentes a outros herbicidas.

LIBERTLINK NA CULTURA DA SOJA:

  • Variedades tolerantes ao herbicida Liberty: segurança na lavoura;
  • Sementes de soja LibertyLink são altamente produtivas;
  • Com modo de ação único, Liberty é a alternativa não seletiva para o Manejo Integrado de Plantas Daninhas.
Plantas Daninhas - Número de espécies resistentes

De olho na resistência.

fonte: WeedScience.org

A dificuldade no controle de plantas daninhas intensificou o uso de herbicidas. A má utilização, porém, fez com que espécies naturalmente resistentes se multiplicassem.

A presença de plantas daninhas causam:

  • dificuldade na colheita;
  • impureza na entrega dos grãos;
  • perda na produtividade.

DE OLHO NAS PLANTAS DANINHAS.

Ao plantar variedades de soja LibertyLink, você conta com amplo espectro de controle de plantas daninhas, incluindo aquelas difíceis de controlar e que já são resistentes a outros herbicidas.

Plantas Daninhas na Soja - Ano 1

ANO 1

Plantas Daninhas na Soja - Ano 2

ANO 2

Plantas Daninhas na Soja - Ano 3

ANO 3

É você vencendo a mato competição com uma nova plataforma.

Plantas daninhas de difícil controle.


DE OLHO NA RESISTÊNCIA DE INSETOS.

LibertyLink também pode ser utilizado como uma ferramenta para dificultar a seleção de lagartas resistentes, pois possibilita que insetos suscetíveis se desenvolvam na área. Dessa maneira, contribui com o Manejo de Resistência de Insetos (MRI).

Insetos na Soja

+

Insetos na Soja
Insetos na Soja - controle com Liberty Link

=

Lagartas Suscetíveis

LAGARTAS SUSCETÍVEIS

MELHOR CONTROLE

É você e LibertyLink de olho na longevidade das tecnologias.

Lagartas suscetíveis

Começa no limpo, permanece limpo.

Começar o plantio com a lavoura livre de plantas daninhas é muito importante para um bom desenvolvimento da cultura.

Existem diversas práticas que podem ajudar com o início do plantio no limpo, como uma boa dessecação, seguida da aplicação de um pré-emergente com residual. Utilizar práticas de manejo antes da cultura permite o controle do banco de sementes e do tamanho das plantas daninhas, que eventualmente estarão competindo com a cultura.

Assim, fica muito mais siples a utilização do Liberty em pós-emergência.

Resistência de pragas é um dos maiores desafios do produtor de soja

A tecnologia LibertyLink contribui com o Manejo de Resistência de Insetos e diminui os custos de produção

Data de publicação:
07/05/2018

O Manejo de Resistência de Insetos (MRI) é um conjunto de medidas adotadas para evitar perdas nas safras de soja em decorrência da evolução da resistência de insetos à aplicação de inseticidas. A resistência desses insetos é condicionada à maior tolerância de alguns indivíduos da população, que tem a capacidade de sobreviver à exposição aos agentes de controle. O ataque da lagarta-da-soja (Anticarsia gemmatalis) foi uma das principais preocupações dos agricultores por anos, mas outras lagartas necessitam cada vez mais ser controladas para evitar danos significativos na cultura, como as falsas-medideiras (Pseudoplusia includens e Rachiplusia nu), a lagarta-enroladeira Omiodes indicata), a lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus), a broca das axilas ou broca dos ponteiros (Crocidosema aporema) e a lagarta helicoverpa (Helicoverpa armigera).

Lagarta – Praga Cultura da Soja
Risco de resistência pode ser reduzido com a adoção do MRI

Por ter o hábito de se alimentar nas folhas do topo das plantas, a lagarta-da-soja é mais fácil de ser controlada por inseticidas. Por outro lado, algumas espécies de lagartas são mais difíceis de serem controladas: atacam folhas do terço inferior e mediano das plantas como a falsa-medideira; se enrolam nas folhas como a enroladeira; atacam flores e vagens como a helicoverpa ou broqueiam ponteiros e vagens. Neste caso, o produtor necessita utilizar inseticidas mais específicos e doses mais elevadas para o controle, o que muitas vezes gera resistência de alguns indivíduos e aumenta os custos de produção.

O risco de aumento da resistência pode ser reduzido com a adoção de medidas apropriadas de MRI. Entre as estratégias de manejo integrado destacam-se a rotação de culturas, a adoção de áreas de refúgio (plantada com híbridos), a utilização de inseticidas seletivos e o controle biológico. Assim é de extrema importância realizar o manejo desde a dessecação, sendo que a prática antecipada (acima de 15 dias antes da semeadura) auxilia na diminuição da população de lagartas.

É importante ressaltar que mesmo com o plantio de sementes com a tecnologia LibertyLink (LL) é necessário o plantio de uma área de refúgio de, no mínimo, 20% da área plantada da propriedade para garantir a presença de plantas sem essa tecnologia, que servirão de hospedeiras para as pragas existentes na região. O refúgio consiste em uma área cultivada com plantas não Bt (Bacillus thuringiensis) nas lavouras com função de produzir insetos suscetíveis que acasalem com os eventuais indivíduos resistentes provenientes das áreas plantadas com biotecnologia e que gerem uma prole também suscetível – portanto, controlada pela tecnologia Bt. As áreas de refúgio devem estar localizadas à distância máximas de 800 metros da lavoura com a tecnologia Bt e devem, preferencialmente, ser plantadas com um híbrido de ciclo vegetativo semelhante.

Como a aquisição de resistência é um fator natural que ocorre após a exposição frequente de uma praga a um agente controlador, é necessário que as lagartas que eventualmente sobrevivam na lavoura LL tenham contato com as lagartas que ainda não foram expostas à tecnologia disponível. A evolução da resistência de pragas é o maior desafio para o uso de culturas que expressam proteínas Bt. Sem a implementação de um programa efetivo de Manejo da Resistência de Insetos (MRI), as tecnologias Bt podem ter sua eficácia comprometida. Além disso, a tecnologia Bt também é uma importante ferramenta no Manejo Integrado de Pragas (MIP), não só pelo amplo espectro no controle das principais lagartas e pragas, mas por ser uma tecnologia de baixo impacto sobre inimigos naturais e outros organismos benéficos. Assim, o plantio de refúgio funciona como uma ferramenta inteligente nos programas de MRI e MIP, sendo eficaz em retardar o aparecimento de resistência de pragas nos locais com maior histórico de uso destas tecnologias.

Com uma plataforma inovadora de controle de pragas, a Bayer disponibiliza para o produtor variedades de soja que apresentam proteção contra as principais lagartas que afetam a cultura, como a lagarta da soja, a falsa-medideira e a broca das axilas, como também suprime as lagartas do tipo elasmo e helicoverpa. Entre as opções de soja com tecnologia LL para as diversas regiões de plantio podemos destacar as variedades SoyTech e Credenz. Com essas tecnologias o produtor pode também diminuir a matocompetição dentro da lavoura, controlando as plantas daninhas na cultura da soja, principalmente aquelas resistentes ao glifosato. Além disso, quando utilizada em conjunto com uma variedade com tecnologia Bt, LibertyLink possibilita o cruzamento de insetos resistentes a Bt com insetos suscetíveis, protegendo a longevidade das duas tecnologias. Vale ressaltar que o produtor rural que opta pelo uso das variedades Liberty Link não tem a cobrança de royalties.

Redator: Evandro Alves Vieira

Foto: Agro Bayer

Manejo de plantas daninhas utilizando soja LibertyLink

Com as melhores práticas agrícolas, o produtor rural pode aumentar a produtividade e ainda controlar o mato que compete com a lavoura.

Data de publicação:
06/04/2018

As plantas daninhas são indesejáveis em qualquer lavoura, em razão da significativa perda de produção ocasionada pelas interferências negativas (competição, alelopatia e parasitismo) destas espécies infestantes nas culturas. Os recursos mais frequentes e passíveis de competição são água, nutrientes, luz, espaço físico, dentre outros. E quando alguns destes componentes se tornam limitados para a lavoura, o desenvolvimento das plantas é prejudicado.

A relação competitiva entre a cultura da soja e as plantas daninhas pode afetar a quantidade e a qualidade da produção, bem como a eficiência de aproveitamento dos recursos do ambiente. Há estimativas que apontam a existência de 30% a 40% de áreas de plantio de soja com a existência de plantas daninhas de difícil controle, que podem causar redução na qualidade e maturação desuniforme dos grãos, dificuldades e perdas na colheita e ainda servir de hospedeiro para pragas e doenças.

Plantas Daninhas na Soja
Soja LL permite ao agricultor limpar áreas infestadas por plantas daninhas

Como estratégia para o manejo de plantas daninhas resistentes ou de difícil controle na cultura de soja é comum utilizar a associação de herbicidas, melhorando o controle de espécies invasoras consideradas problemáticas. Assim, a Bayer desenvolveu a soja LibertyLink (LL) como uma “ferramenta adicional” ao manejo de plantas daninhas. As variedades de soja LL apresentam tolerância ao herbicida glufosinato de amônio, produto indicado para o combate de plantas daninhas que já possuem resistência ao glifosato, oferecendo resistência a outro princípio ativo.

Dados da Embrapa relatam que nas principais regiões produtoras do Brasil, os custos de produção em lavouras de soja infestadas com plantas daninhas resistentes ao glifosato podem subir, em média, de 42% a 222%, principalmente pelo aumento nos gastos com herbicidas e pela perda de produtividade da cultura.

A soja LibertyLink é a tecnologia que permite ao produtor rural benefícios integrados, como limpar a área infestada por plantas daninhas e, se for plantada junto com uma variedade de soja Bt, por exemplo, dificultar a seleção de lagartas resistentes. Dessa forma, se o agricultor plantar a soja LL ao lado de uma soja Bt, vai dificultar a seleção de lagartas resistentes, possibilitando a multiplicação de insetos suscetíveis à variedade Bt e contribuindo com o Manejo de Resistência de Insetos (MRI).

Ao plantar uma variedade de soja contendo a tecnologia LL, o agricultor vence a mato competição com uma plataforma inovadora. Afinal, LibertyLink controla efetivamente plantas daninhas e libera o potencial produtivo da soja.

Redator: Evandro Alves Vieira

Foto: Agência Embrapa de Notícias

Data de publicação:
29/03/2018

Produtores perdem até 2/3 da lavoura pela ação de plantas daninhas

Resistência ao glifosato aumenta a ameaça à qualidade e à produtividade da lavoura

Data de publicação:
22/03/2018


A matocompetição pode gerar perdas significativas ao produtor, reduzindo em até 90% a produtividade da lavoura e também a qualidade do grão, segundo estudos da Embrapa, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. As plantas daninhas concorrem com a cultura por recursos necessários ao desenvolvimento de uma planta, como água, nutrientes e luminosidade. Conheça as principais espécies de plantas daninhas e o impacto que elas causam no bolso do produtor.

Buva - Planta Daninha
Buva - Planta Daninha

Os grandes inimigos

O capim amargoso (Digitaria insularis) está entre as planta daninhas que causam mais prejuízos ao sojicultor. Basta uma infestação de uma a 3 plantas por m2 para gerar uma perda de 23% na produtividade do cultivo. Com uma infestação de 4 a 8 plantas daninhas por m2, o produtor já perdeu 44% de sua lavoura. (Fonte: Embrapa – Londrina, PR, Gazziero et al, 2012)

A buva (Conyza bonariensis) é outro inimigo da rentabilidade do produtor de soja. Uma infestação com até 4 plantas por m2 provoca uma perda de produtividade de 14%. Com 8 plantas por m2, o prejuízo sobe para 22%. Com 15 plantas por m2, o produtor já perdeu um terço de sua lavoura e com 25 plantas por m2, sua produtividade caiu pela metade. (Fonte: Ricci, 2009)

O milho voluntário passou a ter maior presença nas lavouras de soja após o lançamento de variedades de milho de tecnologia RR, ou Roundup Ready. Com uma infestação de apenas uma planta por m2, o prejuízo chega a 29,8%. Com quatro plantas de milho voluntário por m2, o produtor perdeu 64,4% de sua lavoura. (Fonte: Penckowski L.H. et al, 2012)

Resistência

Lançada em meados dos anos 90, a tecnologia RR foi muito bem aceita no mercado brasileiro e hoje está presente em 90% das lavouras de soja. No entanto, o uso excessivo de defensivos desta tecnologia, cujo ingrediente ativo é o glifosato, gerou uma variedade de plantas daninhas resistentes ao produto. A plataforma LibertyLink da Bayer é a tecnologia mais avançada do mercado no controle de plantas daninhas no cultivo da soja. Sementes com tecnologia LL são tolerantes ao herbicida Liberty, também da empresa, que utiliza o glufosinato de amônia como ingrediente ativo. O Liberty é o único herbicida não seletivo de ação eficaz contra plantas daninhas resistentes ao glifosato e também a múltiplas classes de herbicidas.

Crédito: Frank Edwin Duurvoort – Agro Bayer

Foto: Samuel/PhytusClub

LibertyLink é uma boa opção em áreas de refúgio

O Manejo de Resistência de Insetos (MRI) é uma prática fundamental para a sustentabilidade da soja

Data de publicação:
16/03/2018

Lagarta da Soja
Helicoverpa armigera na cultura da soja

O plantio de áreas de refúgio na cultura da soja é uma prática de resistência à propagação de pragas resistentes a inseticidas próprios para soja transgênica com tecnologia Bt (Bacillus thuringiensis). A expansão da área cultivada com variedades Bt acaba gerando uma vantagem comparativa às lagartas resistentes, já que apenas estas conseguem se desenvolver e reproduzir. Se os produtores de uma região afetada por pragas resistentes não adotarem uma estratégia coletiva de manejo contra a resistência, a população de pragas resistentes vai crescer, minando os benefícios da tecnologia Bt em uso.

O objetivo da área de refúgio é promover a reprodução de insetos suscetíveis à toxina Bt, permitindo que estes se desenvolvam e se acasalem com as lagartas resistentes, gerando indivíduos suscetíveis à tecnologia Bt. Dessa forma, o manejo resulta em uma diminuição na população de pragas resistentes e na maior longevidade da tecnologia Bt.

Áreas de refúgio: manejo com LL

As áreas de refúgio são talhões de soja não-Bt que, no total, correspondem a 20%, no mínimo, de toda a área plantada na propriedade. As áreas de refúgio devem estar localizadas a uma distância máxima de 800 metros da lavoura com soja Bt.

O manejo adotado em áreas de refúgio deve ser igual ao de qualquer área de soja não-Bt, com o uso de inseticidas ou outros métodos de controle adequados à variedade adotada. Não é recomendada a aplicação de inseticidas de tecnologia Bt em áreas de refúgio, nem o plantio de sementes de soja Bt misturadas com soja não-Bt.

A tecnologia LibertyLink pode ser utilizada em áreas de refúgio. Um talhão com soja LL não vai impedir o desenvolvimento de insetos suscetíveis a defensivos para culturas Bt. Quando plantado em conjunto com áreas de soja Bt, a tecnologia LibertyLink dá sustentação à estratégia de Manejo de Resistência de Insetos (MRI). Além de promover diversidade entre as diferentes espécies de pragas, o produtor dá maior sustentabilidade para as duas tecnologias e para o seu próprio negócio.

Crédito: Frank Edwin Duurvoort – Agro Bayer

Foto: Samuel/PhytusClub

LibertyLink é a nova plataforma de manejo de plantas daninhas de difícil controle.

Agora, sim, você pode escolher a sua plataforma de controle com ação de amplo espectro de folhas largas, estreitas e resistentes a glifosato e outros herbicidas.

Data de publicação:
20/12/2017

Começar o plantio com a lavoura livre de plantas daninhas é muito importante para um bom desenvolvimento da cultura. Existem diversas práticas que podem ajudar com o início do plantio no limpo, como por exemplo, fazer uma boa dessecação, seguida da aplicação de um pré-emergente com residual. Utilizar práticas de manejo antes da cultura permite o controle do banco de sementes e do tamanho das plantas daninhas, que eventualmente estarão competindo com a cultura. Além disso, o produtor tem à disposição a nova plataforma para o cultivo da soja, o LibertyLink

Lançada em 2015, a plataforma LibertyLink da Bayer é a tecnologia mais avançada do mercado no controle de plantas daninhas no cultivo da soja. Sementes com tecnologia LibertyLink são tolerantes ao herbicida Liberty, um herbicida de contato com modo de ação único, que proporciona controle em pós-emergência de plantas daninhas de folhas largas e gramíneas, inclusive às resistentes a outros herbicidas. O produtor sofre menos perda por matocompetição, uma vez que as plantas daninhas controladas por Liberty - um herbicida de ação rápida - são eliminadas em dias, ao invés de semanas.

Ao optar pelas variedades de soja da Bayer com a tecnologia LibertyLink, o produtor estará seguro de liberar todo o potencial produtivo da soja, pois as variedades são altamente produtivas. As variedades de soja contendo a tecnologia LibertyLink estão disponíveis nas marcas de sementes endossadas pela Bayer: Credenz e Soytech e os licenciados Bayer de sementes de soja no sul do Brasil.

Crédito: Frank Edwin Duurvoort – Agro Bayer
Foto: Fotokostic/Shutterstock

LibertyLink: o duplo olhar para a sustentabilidade das lavouras de soja.

LibertyLink é a mais nova plataforma de manejo de plantas daninhas de difícil controle que possui duplo benefício para o sojicultor.

Data de publicação:
14/12/2017

A presença de plantas daninhas nas lavouras de soja pode causar diversos danos: além de competirem com a cultura por nutrientes, água e luminosidade, gerando custos altos e perda na produtividade, as plantas daninhas também geram dificuldade na colheita e provocam impureza na entrega dos grãos. Por exemplo, um estudo divulgado pela EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) em 2012 mostrou que o capim amargoso (Digitaria insularis) em competição com a soja reduziu em até 44% a produtividade (Fonte: EMBRAPA - Londrina, PR, Gazziero et al. 2012).

Com a crescente dificuldade de controlar plantas daninhas nas lavouras, os agricultores, em todo o mundo, intensificaram o uso de herbicidas. No Brasil, o surgimento de plantas daninhas de difícil controle e resistentes começou na região Sul. Com a popularização de culturas tolerantes ao glifosato, começou-se a realizar o emprego massivo de um único herbicida e essa prática resultou no agravamento dos casos de seleção de espécies tolerantes e resistentes à aplicação de herbicidas e hoje representa uma séria ameaça à sustentabilidade do negócio do sojicultor no longo prazo. O advento de genes que conferem tolerância a outros mecanismos de ação, como a soja LibertyLink, surge como uma nova alternativa para auxiliar no enfrentamento deste problema. Ao plantar variedades de soja LibertyLink, o produtor conta com amplo espectro de controle de plantas daninhas, incluindo aquelas difíceis de controlar e que já são resistentes a outros herbicidas.

Além disso, LibertyLink também pode ser utilizado como uma ferramenta para dificultar a seleção de lagartas resistentes, se plantado em conjunto com áreas de soja Bt (Bacillus thuringiensis). Atualmente as cultivares de soja, em sua grande maioria, tem a transgenia associada ao Bt. Essa tecnologia traz consigo a necessidade do agricultor adotar estratégias de refúgio para dificultar a seleção de insetos resistentes. Plantar variedades de soja com a tecnologia LibertyLink ao lado dessas áreas, possibilita que insetos suscetíveis se desenvolvam, contribuindo com o Manejo de Resistência de Insetos (MRI). Além de criar uma diversidade, o produtor está contribuindo com a sustentabilidade para as duas tecnologias e para o próprio negócio.

Adultos e ninfas presente em folhas de soja

Acesse a página de benefícios de LibertyLink para entender melhor como o duplo olhar irá se traduzir em mais resultados na sua lavoura de soja.

Além disso, via programa de pontos da Rede AgroServices você pode resgatar seus pontos por agroespecialistas em plantas daninhas. Acesse o site e consulte as melhores opções.

Crédito: Frank Edwin Duurvoort – Rede AgroServices
Foto: Luis Pedrazzi/Bayer