Atenção: Você está no site Agro Bayer Brasil. O conteúdo deste site é destinado a agricultores e demais profissionais do setor agrícola.

 
Find a solution
Find a label

Onde Comprar

Não há resultados.

Diversidade É o Futuro

Sobre a iniciativa

O Manejo Integrado de Plantas Daninhas da Bayer (IWM, em inglês) é uma ação global para aumentar a produtividade agrícola e garantir a geração de alimentos seguros a longo prazo, oferecendo soluções personalizadas para o controle de plantas daninhas e promovendo fortemente as melhores práticas de manejo de plantas daninhas.

Nosso objetivo

Ser pioneira na promoção e implementação das melhores práticas de manejo de plantas daninhas, para provocar uma mudança no pensar e no agir de todos os parceiros do agronegócio.

Melhores práticas de manejo

Nossas soluções integradas de controle de plantas daninhas são implementadas por meio de iniciativas específicas às necessidades de cada país em que a Bayer atua, tais como "Diversidade é o Futuro" (Brasil), "Black-Grass Task Force" (Reino Unido), "Diversity Can’t Wait" (Austrália), "Gestion responsable des herbicides céréales" (França), "Mix it up" (Canadá), "Respect the Rotation" (EUA) e "Vielfalt ist Zukunft" (Alemanha). Estas iniciativas promovem as melhores práticas de manejo, incluindo diretrizes e avançadas medidas de manejo da Bayer para proteger a saúde humana, preservar o meio ambiente e combater a resistência de plantas daninhas.

Perguntas e Respostas

Plantas daninhas - uma grande ameaça aos sistemas agrícolas

A resistência de plantas daninhas é um problema global e está aumentando em todos os lugares. Plantas daninhas são a principal causa de perdas de colheitas em nível mundial, causando elevados custos de gestão e ameaçando a segurança alimentar. Sem herbicidas, o setor agrícola teria de enfrentar uma perda média de 30% em seus rendimentos com as lavouras.

Estratégias de Controle das Plantas Daninhas

O número de plantas daninhas resistentes a herbicidas está crescendo rapidamente. Até agosto de 2015, 250 plantas daninhas diferentes desenvolveram resistência em 86 culturas e 66 países (fonte: Heap, I., The International Survey of Herbicide Resistant Weeds, http://weedscience.org). 25% das piores e mais comuns plantas daninhas já são resistentes a um ou mais modos de ação de herbicidas disponíveis no mercado.

A cada ano se torna mais difícil encontrar novos herbicidas eficazes. Por isso, já passou da hora de os produtores diversificarem suas estratégias de controle de plantas daninhas para evitar que novas resistências se propaguem, além de ajudar a reduzir o acúmulo de sementes de plantas daninhas resistentes no campo e de preservar a eficácia das soluções de controle atuais.

Manejo Integrado de Plantas Daninhas

O Manejo Integrado de Plantas Daninhas é essencial e caminha lado a lado aos manejos integrados de pragas e doenças, oferecendo assim uma abordagem holística para a agricultura sustentável, centrada no manejo, por meio de uma combinação de medidas físicas, culturais, biológicas e químicas que são viáveis, ambientalmente corretas e socialmente aceitáveis.

O objetivo de nossas estratégias de Manejo Integrado de Plantas Daninhas é reduzir a pressão das plantas invasoras e mantê-las dentro de níveis aceitáveis, permitindo que os herbicidas funcionem corretamente e reduzindo assim a pressão de seleção para a resistência.

O Manejo Integrado de Plantas Daninhas envolve diversidade no uso de herbicidas e modos de ação, seguido pela diversidade de medidas de controle de plantas daninhas não químicas como rotação de culturas, controle de sementes de plantas daninhas pós-colheita e outros.

Qual o papel da Bayer?

A Bayer oferece aos seus clientes um programa de Manejo Integrado de Plantas Daninhas para melhorar a produtividade e a qualidade das culturas de forma sustentável. O programa consiste de três elementos:

1. Soluções Integradas de Controle de Plantas Daninhas, incluindo:

Sementes de alta qualidade, inclusive aquelas com tecnologia inseridas de tolerância a herbicidas (LibertyLink®, por exemplo) e que abrem o caminho para um controle mais conveniente e produtivo de plantas daninhas.

Produtos inovadores de proteção de cultivos, que viabilizem o desenvolvimento das lavouras livres de plantas daninhas e, assim, protegem o rendimento e a qualidade dos produtos agrícolas.

Serviços sob medida como suporte agronômico, sistemas de identificação de plantas daninhas, ensaios de demonstração em campo, diagnósticos e ferramentas de previsão.

2. Melhores práticas de manejo

Nossas soluções integradas de controle de plantas daninhas são implementadas por meio de iniciativas específicas às necessidades de cada país em que a Bayer atua, tais como "Diversidade é o Futuro" (Brasil), "Respeite a Rotação" (EUA), ou "Visuality pist Zunkunft" (Alemanha). Estas iniciativas promovem as melhores práticas de manejo, incluindo diretrizes e avançadas medidas de manejo da Bayer para proteger a saúde humana, preservar o meio ambiente e combater a resistência de plantas daninhas.

3. Ciência e parcerias

A Bayer conta com um longo histórico de sucesso na descoberta de herbicidas. Desde a década de 1960, com o lançamento no mercado de diphenamide, a empresa já lançou 52 compostos, incluindo indaziflam, em 2016, no Brasil. Isso dá uma média de um composto por ano.

O Centro de Competência em Resistência de Plantas Daninhas (WRCC) da empresa, em Frankfurt, está envolvido na busca pelo entendimento dos mecanismos de resistência ao testar e desenvolver novos conceitos e ferramentas para o manejo de plantas daninhas resistentes e comunicar e compartilhar conhecimentos e soluções da Bayer.

Atualmente, o foco do Centro está em projetos de resistência em muitos países em toda a Europa, nas Américas do Norte e do Sul, na Austrália, África do Sul e na região Ásia-Pacífico. Nos EUA, o WRCC coopera e apoia os cientistas que estão investigando a genética de populações e mecanismos de resistência em Palmer Amaranth, e na Austrália a resistência metabólica em Lolium (azevém).

Na América Latina, foram inaugurados no final de 2015, os Laboratórios de Monitoramento de Resistência a Fungicidas, Inseticidas e Herbicidas para atender especificamente as necessidades da agricultura tropical da América Latina. Esta frente é muito importante para contribuir com o desenvolvimento sustentável da agricultura, oferecendo aos produtores rurais informações e soluções locais que os ajudem a manejar a questão da resistência nas lavouras.

Além disso, os trabalhos conduzidos pelos laboratórios têm como objetivo promover a sustentabilidade dos produtos da empresa no mercado, principalmente, influenciando para que o ciclo de vida das moléculas tenha maior durabilidade.

CEAT - Centro de Expertise em Agricultura Tropical

O CEAT – Centro de Expertise em Agricultura Tropical, uma plataforma de inovação colaborativa para estabelecer parcerias estratégicas (públicas e privadas) de pesquisa e inovação que contribuam para o desenvolvimento de soluções integradas focadas nos desafios da agricultura tropical para a produção de mais e melhores alimentos, fibras e energia renovável.

Trata-se de um conceito de inovação criado para estudar soluções tecnológicas para os sistemas produtivos tropicais, visando atender as necessidades específicas dos produtores no Brasil e na América Latina, regiões de alto potencial de crescimento.

Com o CEAT, a Bayer pretende promover inovação e potencializar ideias para as áreas de sementes, traits e defensivos agrícolas biológicos e químicos.

Com os seus parceiros, a Bayer pretende, por meio do CEAT, antecipar-se sobre potenciais riscos e suas soluções para atender às necessidades dos produtores, contribuindo assim para a sustentabilidade das suas atividades.

Com o CEAT, a Bayer pretende também acompanhar ainda mais de perto as tendências da agricultura tropical e as necessidades futuras, traduzindo este conhecimento em vantagem competitiva para o agricultor.

Entre as principais linhas de atuação já iniciadas pelo CEAT estão os desafios atuais da agricultura como o manejo de resistência a doenças, controle de pragas e plantas daninhas nas culturas de soja, milho, algodão, assim como os desafios representados pela ferrugem asiática e do greening no citrus, por exemplo. Estes trabalhos já vêm sendo realizados em parceria com a Embrapa e Fundecitrus respectivamente, além de outras atividades e entidades conectadas via Academia Bayer de Inovação.

Com o CEAT, a Bayer pretende estender o programa da Academia Bayer de Inovação (ABI), criado há quatro anos para aproximar a comunidade científica (com renomadas instituições de pesquisa do Brasil e da América Latina) e as áreas de Pesquisa e Desenvolvimento da Bayer.

O que é o instituto Bayer de pesquisa científica sobre o controle de plantas daninhas e como suas parcerias podem ajudar?

A divisão Crop Science da Bayer, em conjunto com outras unidades da empresa, possui uma longa história de sucesso na descoberta de herbicidas e protetores, bem como em sua comercialização. De fato, a Bayer é a única empresa no mundo a cobrir todo o espectro de tecnologias relacionadas à tolerância a herbicidas, incluindo soluções geneticamente modificadas e não geneticamente modificadas, bem como os aspectos químicos dos protetores. Tendo iniciado suas atividades em 1960 com a introdução da difenamida no mercado, a Bayer lançou 52 ingredientes ativos no mundo, incluindo o indaziflam em 2010 e a triafamona em 2014, o que representa em média um ingrediente ativo por ano.

Gráfico dos Lançamentos de Ingredientes Ativos - Weed Resistance

O significativo recuo no lançamento de novos herbicidas ameaça o controle seguro das plantas daninhas.

Hoje a agricultura mundial está em uma encruzilhada no que tange ao controle de plantas daninhas, devido à sua resistência a herbicidas. A falta de novos herbicidas que neutralizem esta resistência é um grave problema que ameaça a sustentabilidade dos modelos agrícolas atuais. É necessário encontrar novos herbicidas eficazes e o quanto antes! É por isso que a Bayer continua investindo pesadamente em pesquisa para descobrir novos herbicidas, mecanismos de resistência das plantas daninhas e em seu futuro controle.

Há muito trabalho pela frente e o desafio é grande demais para que uma única empresa possa assumi-lo sozinha. Por esta razão, a Bayer busca maximizar a sua capacidade de cobrir mais áreas que requerem pesquisa e desenvolvimento por meio de parcerias com os principais cientistas e institutos do mundo.

Centro Bayer de Competência para a Resistência das Plantas Daninhas

Logo Weed Resistance

O Centro Bayer de Competência para a Resistência das Plantas Daninhas (WRCC, em inglês), localizado em Frankfurt, Alemanha, é parte da abordagem holística da Bayer para o manejo de plantas daninhas e respalda a estratégia corporativa de desenvolvimento de soluções de gerenciamento integrado de plantas daninhas para a agricultura sustentável. Como centro de referência mundial da Bayer para o manejo da resistência das plantas daninhas, o WRCC está comprometido em compreender os mecanismos de resistência e a evolução das plantas daninhas no campo; testar e desenvolver novos conceitos e ferramentas para seu manejo; comunicar e compartilhar os conhecimentos e soluções Bayer. Nele também são conduzidos uma ampla gama de estudos para determinar com precisão e critério o perfil da resistência no campo para propiciar as melhores recomendações aos agricultores de acordo com as necessidades de manejo de plantas daninhas resistentes de cada área.

A Bayer colabora com agricultores, consultores agrícolas, distribuidores, autoridades, universidades, demais parceiros e concorrentes para promover práticas de Manejo Integrado, para lidar com a resistência das plantas daninhas de forma proativa e reativa, dando suporte e consultoria prática no seu combate no momento em que aparece no campo.

Como funciona o Centro de Competência para a Resistência das Plantas Daninhas

Capacidades únicas de diagnóstico

O Centro de Competência para a Resistência das Plantas Daninhas (WRCC) usa métodos comprovados, como bioensaios com vasos em estufa, tecnologias inovadoras para análise da resistência metabólica e resistência em sítio-de-ação. Na estufa, vários ingredientes ativos (ou herbicidas) são testados, alguns em diferentes doses, para determinar quais ainda podem ser utilizados de forma eficaz e realizar a confirmação da resistência a determinado herbicida ou classe de herbicidas. A identificação tanto do metabolismo de um herbicida como das mutações em sítio-de-ação são estudadas com o auxílio das mais recentes tecnologias analíticas, da biologia molecular e genômica. Nenhuma outra empresa integrou bioensaios, análises e biologia molecular em testes diagnósticos sequenciais de alto rendimento para a identificação da resistência das plantas daninhas.

Principais atividades - Weed Resistance

Áreas-chave de pesquisa

Para analisar as mutações em sítio-de-ação, extratos de DNA são amplificados utilizando a Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) e analisados com um pirossequenciador. Nenhuma outra empresa analisa rotineiramente a resistência em tantas amostras usando toda a gama de testes disponíveis. Novas tecnologias vêm sendo avaliadas constantemente para os estudos de resistência. A fim de aumentar as atuais capacidades de pesquisa, projetos cooperativos são realizados com uma extensa rede de renomados pesquisadores. As principais áreas de pesquisa estão cobrindo a identificação dos genes responsáveis pela melhora do metabolismo, evolução da resistência e os fatores associados, além do desenvolvimento de kits de teste de resistência para utilização no campo (por enquanto somente protótipos). O WRCC também colabora e respalda pesquisas internas, como a descoberta de novos herbicidas e estudos de campo (plataforma e evolução da resistência) com os produtos atuais (plataforma e evolução da resistência).

Recomendações práticas

O objetivo essencial de muitos estudos do WRCC é compreender ao máximo o perfil de resistência de um determinado campo para proporcionar as melhores recomendações estratégicas de manejo das plantas daninhas de acordo com cada área, incluindo recomendações para uma abordagem de longo prazo em seu manejo, em particular para as plantas daninhas resistentes, como pré-requisito para o sucesso.