10 MIN DE LEITURA

Erika Guanaes: colhendo resultados com gestão e tecnologia

07 de fevereiro de 2024

Visão de negócios e gestão empresarial: essas ações aumentaram a produtividade na Fazenda Atlântida, em Dianópolis, TO. Tanto que a expectativa para a atual safra de soja e algodão é superar a temporada de 2023.

Esses ótimos resultados passaram a ser colhidos depois que a família Guanaes entendeu que, para o campo evoluir, seria necessário desenvolver a parte administrativa, ou seja, transformar a fazenda em uma empresa.

"Quando percebemos que o nosso negócio estava crescendo, não teve outra coisa a ser feita a não ser implantar uma gestão empresarial", destaca Erika Costa Guanaes, diretora financeira da Fazenda Atlântida.

Segundo a produtora, a partir do momento que ela e o marido entenderam que o negócio já tinha o porte de uma empresa, começaram a investir na gestão de pessoas e em tecnologia. "O resultado trouxe alta produtividade e assim temos feito a cada ano, investindo mais em gestão."


Do escritório para o campo

Erika é formada em direito e não tinha experiência no agronegócio. Seu contato com o setor começou quando conheceu seu marido. Depois de um ano de casados, ela passou a trabalhar na fazenda para auxiliar na gestão do negócio. "Ele e o meu sogro não tinham gestão alguma. Aos poucos, fui implantando o controle financeiro, de almoxarifado e dos custos de produção. Este processo demanda muita paciência e persistência porque você precisa colocar na mentalidade do produtor e dos funcionários", comenta Erika.

Para ela, o investimento em tecnologia é outro aspecto indispensável para alcançar bons resultados no campo. É por isso que Climate FieldView™ está presente no dia a dia da fazenda da família Guanaes. "Essa tecnologia da Bayer veio para mostrar tudo em tempo real, além da agricultura de precisão para sabermos exatamente o que é necessário aplicar no solo. E para isso, só estudando o seu solo com o instrumento certo."


Sucessão em andamento

A continuação de todo esse trabalho desenvolvido na Fazenda Atlântida está garantida com os dois filhos do casal: Ana Clara Guanaes Carassa e João Vitor Guanaes Carassa.

"Meus filhos são a quarta geração, do lado da família do meu marido, que segue o caminho na agricultura. Eles foram criados dentro da lavoura, não caíram de paraquedas aqui", afirma Erika.

Assim, cada um deles já desempenha um papel importante dentro dos negócios para aprenderem na prática e conhecerem os processos detalhadamente.

Ana Clara, por exemplo, está atuando no setor comercial. "Estou conhecendo todo mundo, de quem a gente compra e vende. Tenho um contato direto com os agrônomos também para entender as necessidades, os produtos que utilizamos. É outra área do negócio com a qual eu não tinha contato e que está trazendo muito conhecimento para mim."

E como conhecimento nunca é demais, Ana Clara está prestes a completar um dos cursos do Impulso Bayer Academy sobre um tema pelo qual toda família sempre teve muito interesse: inovação e tecnologia. "O curso trouxe muitos insights de tecnologias que estão surgindo e empresas que se revolucionaram através delas. Essa oportunidade abriu minha mente sobre o quanto o setor está evoluindo e quanta tecnologia ainda podemos trazer para o nosso dia a dia", ressalta Ana Clara.

Para dividir as responsabilidades, João Vitor, por enquanto, está mais focado nas operações no campo, no trato diário das lavouras, um lugar que ele ama e conhece muito bem: "Nós praticamente nascemos na fazenda, onde moramos por muito tempo. Em 2019, voltei a viver aqui. Sempre tive essa paixão porque desde pequeno meu pai me levava na lavoura, me colocava para operar a máquina, ver a soja, o milho e o algodão."

A forma de conduzir os negócios e o processo de sucessão em andamento mostram que a gestão da empresa da família, e principalmente o cuidado com as pessoas é um caminho que Erika Guanaes escolheu não só para o trabalho, mas também para sua vida.