Atenção: Você está no site Agro Bayer Brasil. O conteúdo deste site é destinado a agricultores e demais profissionais do setor agrícola.

 
Find a solution
Find a label

Onde Comprar

Não há resultados.

Soberan® Herbicida

Detalhes do Produto

Classe

Herbicida

Embalagens Comercializadas

12 x 1L, 20 x 500ML, 4 x 5L

Formulação

SC

Ingrediente Ativo e Concentração

Tembotriona 420 g/L

Modo de Ação

Seletivo e sistêmico

Soberan

O herbicida seletivo indicado para a cultura do milho para o manejo de ervas resistentes e controle das invasoras com uma única aplicação.

Video Thumbnail Video Thumbnail

Soberan - Aplique bem para não prejudicar o funcionamento do herbicida

Elevada eficácia em uma alta gama de espécies de plantas daninhas.

Video Thumbnail Video Thumbnail

Um herbicida versátil e de amplo espectro

Indicado para a cultura do milho para o manejo de ervas resistentes e controle das invasoras com uma única aplicação.

Será que a mato-competição e a resistência não são mesmo problemas em sua lavoura?

Com o milho geneticamente modificado e tolerante ao Glifosato no Brasil, o uso de herbicidas com esse ingrediente aumentou muito. E casos de resistência ao produto também.

Valorize sua lavoura.

Com a chegada do Amaranthus Palmeri no Brasil, a falta de controle e a resistência múltipla ALS e EPSP dessa planta daninha podem atingir 91% do milho nas lavouras.

Atenção, produtores

O efeito residual e o maior espectro de Soberan preservam sua lavoura limpa durante a safra de milho. E lavoura no limpo é lavoura produtiva.

Onde Comprar

A Bayer possui revendas em todo o país.

Nenhum resultado encontrado.
Nenhum resultado encontrado.

Fazendo sempre a mesma coisa em sua lavoura e esperando resultados diferentes?

A agricultura é uma atividade dinâmica e a adoção à novas tecnologias é algo que pode agregar ao sistema produtivo

Data de publicação:
18/07/2018

Melhorias no sistema produtivo

Quando determinado problema põe em risco de alguma forma a produtividade de nossas culturas, alguma estratégia de manejo precisa ser tomada para solução. Quando determinada estratégia é aplicada e ela cumpre com o seu papel, é comum de adotarmos essa estratégia como um padrão de controle, pois afinal, ela gera bons resultados. Isso é comum no campo quando utilizamos sempre a mesma cultivar, o mesmo herbicida, o mesmo fungicida, enfim. Afinal, se tal estratégia está gerando bons resultados, porque mudar? Esse é o sentimento na maioria dos casos.

É verdade que muitos problemas podem ser solucionados com as mesmas estratégias que já lhe deram bons resultados, mas existem outros casos em que essa opção só vai complicar as coisas. A agricultura é uma atividade muito dinâmica, novos problemas podem surgir e por vezes a solução pode não estar nas mesmas estratégias que conhecemos.

Precisamos ser inteligentes nesse aspecto, pararmos, analisarmos e buscarmos uma nova alternativa quando notamos que a antiga não funciona mais. Diversas novas tecnologias são lançadas no mercado e por vezes às desconhecemos. A solução dos nossos problemas pode estar nessas tecnologias.

Às vezes ficamos “presos” em tentativas de soluções passadas, que talvez tenham surtido efeito em outras situações. Fazemos isso repetindo de forma sistemática o que acreditamos que pode ser efetivo, mas que por vezes acaba sendo inútil para resolver o problema na sua forma atual. Ficamos imersos em um círculo vicioso difícil de quebrar.

Vamos pensar em uma situação prática, no caso de uma infestação de uma nova planta daninha na lavoura, ao identificarmos as primeiras plantas, logo pensamos em usar aquele antigo herbicida, que conhecemos, barato e que vinha entregando bons resultados. Porém, esse herbicida pode não ser efetivo no controle dessa nova planta daninha. Ao insistirmos em usar, estaremos possibilitando que essa planta cresça, se reproduza e se dissemine pela área, podendo aumentar a infestação. Qual a lição disso? É que em casos como esse, o problema começou quando uma solução ineficaz foi utilizada repetidamente.

Em muitas situações de nossa vida podemos aplicar tal pensamento. Quando você faz um bolo e o queima, você vai continuar colocando a mesma temperatura no forno ou deixando o mesmo tempo nas próximas vezes?

A agricultura é dinâmica e um dos grandes erros é pensarmos que a solução de diferentes problemas podem ser da mesma forma utilizando as mesmas estratégias.

Se você faz sempre a mesma coisa, não espere resultados diferentes. Faça algo diferente, escolha soluções diferentes, teste novas tecnologias e experimente chegar a resultados diferentes.

Através da Rede AgroService, o produtor rural tem acesso a diversas soluções que irão auxiliar na adoção de novas práticas garantindo uma evolução constante nas suas práticas. Sobre o tema debatido nesta publicação este tema sugerimos a Consultoria Lavoura em Números, onde através de controle operacionais na colheita e uma orientação de gestão de estoque e planejamento de produção é possível melhorar a rentabilidade do seu negócio.


CONHEÇA LAVOURA EM NÚMEROS


Autor: Leandro Marques (Pesquisador), Instituto Phytus

Data de publicação:
08/08/2018

Data de publicação:
15/05/2018

Manejo correto evita resistência de plantas daninhas

Agricultor pode adotar o Manejo Integrado de Plantas Daninhas para auxiliar no controle do mato que compete com a lavoura e sem prejudicar as plantas

Data de publicação: 08/03/2018

As plantas daninhas exibem ampla variabilidade genética que permite a adaptação e a sobrevivência destas espécies em diversas condições ambientais. Como a principal ferramenta usada pelos produtores no controle destas plantas indesejadas são os herbicidas, a utilização contínua desses produtos nas últimas décadas vem selecionando algumas populações, em resposta a alguns distúrbios ambientais.

Manejo Integrado da Plantas Daninha
Para o controle de plantas daninhas é necessário mudar as práticas de manejo

A pressão de seleção dos herbicidas pode favorecer o surgimento ou aumento de biótipos resistentes e, como consequência principal dessa resistência, pode ocorrer a restrição ou inviabilidade da utilização dos herbicidas. Além disso, a resistência das plantas daninhas pode levar a perdas de rendimento e qualidade dos produtos agrícolas e ao aumento dos custos com o controle. Essa resistência está condicionada à capacidade natural de alguns biótipos de uma determinada população de plantas daninhas, de sobreviver e se reproduzir após a aplicação de alguma dose de um determinado herbicida. Assim, a dose ideal do produto que seria letal a uma população de plantas suscetíveis da mesma espécie não tem a ação esperada.

As plantas daninhas que têm capacidade de seleção e desenvolvimento de biótipos resistentes geralmente apresentam elevada produção de sementes, baixa taxa de dormência das sementes, ciclo de vida curto, múltiplas gerações reprodutivas por ano, extrema sensibilidade a um determinado herbicida e grande diversidade genética. Algumas das espécies registradas com maior número de biótipos resistentes são Buva (Conyza bonariensis), Picão preto (Bidens subalternans), Capim-colchão (Digitaria insularis), Capim-arroz (Echinochloa crus-gali), Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea), Azevém (Lolium multiflorum), Leiteiro (Euphorbia heterophylla), dentre outros.

Entre as práticas culturais e manejo incorreto de plantas daninhas que podem levar a essa seleção destacam-se: a aplicação repetitiva do mesmo herbicida ou de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação durante diversos anos agrícolas seguidos; sistemas de produção sem rotação de culturas (monocultura); pequena utilização de controle mecânico de plantas daninhas; baixa eliminação dos escapes de controle do herbicida; e desuso de sequência de herbicidas para controle de plantas daninhas em uma cultura.

Em áreas de cultura com aumento de plantas daninhas resistentes aos herbicidas, com densidade suficiente para limitar a produção agrícola, há necessidade de mudanças nas práticas de manejo utilizadas. A Bayer oferece aos produtores rurais um herbicida capaz de controlar o mato que compete com a lavoura, sem prejudicar as plantas: Soberan. A ação do produto ocorre rapidamente, com apenas uma aplicação. Soberan é um herbicida de alta performance, sistêmico e que atua em pós-emergência, possibilitando o controle em culturas de folhas estreitas e folhas largas.

Desta forma, o Manejo Integrado de Plantas Daninhas (MIP) em uma propriedade deve ser levado em consideração em longo prazo. Esse manejo é baseado em um eficiente sistema integrado de controle de produção que envolva métodos culturais, físicos, mecânicos e químicos para o controle de plantas daninhas, evitando ou retardando o aparecimento de biótipos resistentes.

Redator: Evandro Alves Vieira

Foto: vvoe/Shutterstock

Manejo de plantas daninhas no sistema soja-milho

Com práticas agrícolas, produtor rural pode aumentar a produtividade e ainda controlar o mato que compete com a lavoura

Data de publicação: 27/03/2018

A produção de soja + milho segunda safra em sistemas de rotação de culturas atende a necessidade de diversificação dos sistemas produtivos, com culturas que apresentam retorno econômico, especialmente nos períodos de outono e inverno. Esta prática minimiza as perdas com riscos climáticos, principalmente para o milho safrinha, e traz a perspectiva de colheita e comercialização do produto em época distante de sua maior oferta. Nas regiões aptas para esse cultivo, o planejamento da safrinha de milho deve ser iniciado já no planejamento da cultura de soja, quando deve-se prever a colheita de modo a propiciar o plantio do milho na época de maior probabilidade de sucesso, considerando as necessidades hídricas e térmicas das plantas.

O manejo das lavouras é essencial, permitindo indicar as regiões adequadas e estabelecer o melhor momento de plantio. Durante esse período do ano, recomenda-se fazer o monitoramento de pragas, doenças e o manejo de plantas daninhas, além da correção e conservação do solo. Cuidados especiais devem ser tomados para manejar e prevenir a seleção de novas plantas daninhas resistentes. No caso da pré-semeadura de soja, o manejo de plantas daninhas deve ocorrer logo após a colheita do milho e considerar as diferentes espécies presentes na área. Algumas destas espécies merecem atenção especial como o caso da buva e o capim amargoso, e recomenda-se o manejo quando elas estão nos estágios iniciais de desenvolvimento ou estioladas pela presença do milho.

Plantação de Milho - Manejo de Plantas Daninhas

O controle de plantas daninhas proporciona grande vantagem na produtividade da soja, já que a partir do estágio de primeiro trifólio expandido, a competição já compromete a produtividade. Assim, nesse momento, a lavoura já deve estar livre de plantas daninhas e espécies invasoras, como a trapoeraba e a corda-de-viola, que apresentam tolerância ao herbicida glifosato e necessitam de um eficiente controle no início do seu desenvolvimento. Além disso, no manejo pós-emergente da cultura é necessário realizar o controle de possíveis rebrotas e plântulas de capim amargoso, que emergem após o manejo de plantas daninhas realizado na pré-emergência

No caso do milho safrinha, como o nível de infestação durante a safrinha é geralmente menor que na safra principal, alguns agricultores fazem um controle deficiente das plantas daninhas na safrinha, ou mesmo optam por não fazê-lo. Isso pode acarretar competição das plantas daninhas não somente com a cultura do milho safrinha, mas futuramente com a cultura da soja na safra principal. O ideal é que o manejo seja realizado ao longo do ano, de forma contínua e integrada, para que as espécies infestantes não se proliferem. Por isso, para que a infestação por plantas daninhas seja menor, o agricultor pode fazer o controle na pré-colheita da soja, feita com herbicida de contato, como meio de iniciar a lavoura do milho "no limpo", ou seja, o primeiro controle das plantas daninhas ocorre antes da semeadura do milho safrinha.

Para o controle eficiente das plantas infestantes, a Bayer desenvolveu Soberan, que tem a capacidade de controlar o mato que compete com a lavoura sem prejudicar as plantas de soja e milho, proporcionando controle rápido, com apenas uma aplicação. O herbicida é sistêmico e controla, em pós-emergência, plantas daninhas de folhas estreitas e de folhas largas. Além disso, o produto pode ser aplicado durante o processo de adubações nitrogenadas em qualquer época, permitindo o complemento de nitrogênio necessário para o desenvolvimento das plantas sem restrição.

Redator: Evandro Alves Vieira

Foto: Agência de Notícias Embrapa

Data e publicação
26/03/2018

Conheça os benefícios de Soberan para o sistema soja-milho

O herbicida capaz de controlar a mato-competição proporciona diversos benefícios às lavouras de soja e milho

Data de publicação:
01/02/2018

: Soberan – Herbicida para Cultivo de Milho e Soja

Soja e milho continuam sendo as principais culturas produzidas no Brasil e correspondem a 90% dos grãos produzidos por aqui. O país é o segundo maior produtor mundial de soja (farelo, óleo e grão), perdendo apenas para os Estados Unidos. No milho, o Brasil é o terceiro maior produtor, com quase 10% do total produzido no mundo.

Para aumentar a produtividade de grãos é preciso, entre outras coisas, saber a época certa de plantar e de colher. O produtor deve ter conhecimento da região, da área onde está a propriedade e, principalmente, saber planejar os períodos de plantio e de colheita. A principal dica é ficar atento aos prazos e se preparar com antecedência para o início e fim dos ciclos.

No entanto, os efeitos negativos causados pela mato-competição nas lavouras se agravam à medida que a produtividade da cultura aumenta, uma vez que mesmo perdas pequenas se refletem em prejuízos na produção e, consequentemente, redução nos lucros. O agricultor também precisa fazer mudanças nas práticas de manejo utilizadas para evitar o aparecimento de novas plantas invasoras.

Neste contexto, a Bayer oferece aos produtores Soberan, o herbicida capaz de controlar o mato que compete com a lavoura sem prejudicar as plantas, já que é um produto sistêmico e de alto desempenho. Soberan controla as plantas daninhas de folhas estreitas e de folhas largas em pós-emergência. A ação do produto ocorre rapidamente, com apenas uma aplicação.

Entre os principais benefícios de Soberan estão:

  • Não restringe a rotação de culturas - tanto soja como milho e várias outras culturas podem ser plantadas após 15 dias da aplicação do produto;
  • Alto índice de controle de plantas daninhas, eliminando, além das ervas já germinadas, também as que ainda vão emergir. Isso viabiliza que a colheita seja realizada com menos quantidade de mato e impurezas;
  • Soberan tem um mecanismo de ação diferenciado, facilitando o manejo de plantas daninhas especialmente na cultura da soja;
  • Único produto que pode ser aplicado durante o processo de adubação nitrogenada em qualquer época, permitindo o complemento de nitrogênio necessário para o desenvolvimento das plantas;
  • O produto não restringe a aplicação de inseticidas e fungicidas;
  • Pode ainda ser utilizado em qualquer tipo de milho grão, incluindo os cultivares de milho para pipoca, doce e ceroso;
  • Soberan é o primeiro produto a obter o registro para a mistura em tanque, que proporciona vários benefícios às lavouras de milho - entre eles a sinergia para o controle da mato-competição e complementação do controle de plantas daninhas de folhas largas com Atrazina.

Com as melhores práticas agrícolas, o produtor rural pode contar também com o Manejo Integrado de Plantas Daninhas da Bayer, que é uma ação global para aumentar a produtividade e garantir a geração de alimentos seguros a longo prazo, oferecendo soluções para o controle dessas espécies. Confira mais no site:

www.diversidadeeofuturo.com.br.

Redator: Elfrides Júnior

Foto: Bayer

Milho: vantagens de colher no limpo

Eliminação de plantas invasoras auxilia em uma menor competição por recursos, o que resulta no crescimento mais acelerado das cultivares e maior enchimento dos grãos

Data de publicação:
01/03/2018

Cultivo de Milho – Vantagem de Colher no Limpo
Agricultor que colhe no limpo economiza também com manutenção de máquinas

O milho é o cereal de maior volume de produção no mundo: Estados Unidos, China, Brasil e Argentina produzem cerca de 70% da produção mundial. A commodity está entre as principais culturas produzidas por aqui. E em razão do aumento do consumo, da carência de terras produtivas e principalmente dos riscos inerentes à atividade, é importante a utilização de tecnologia e de práticas de manejo que permitam aumentar a produtividade do grão.

Para se ter uma noção, o rendimento na cultura do milho pode diminuir de 12 a 100%, em razão da competição estabelecida com plantas daninhas, dependendo da espécie, do estágio fenológico da cultura, do grau de infestação, do tipo de solo e ainda das condições climáticas do período.

Essa redução está associada à competição que as plantas daninhas exercem diretamente com a lavoura de milho por fatores básicos para a sobrevivência, como água, nutrientes e luz. O grau de interferência das plantas invasoras, normalmente, é medido em relação à produção da planta cultivada e pode ser definido como a redução percentual da produção econômica da cultura. As espécies de plantas daninhas são consideradas indesejáveis, pois competem principalmente por nutrientes com a cultura do milho e devem ser controladas.

Para obter uma boa produtividade e, consequentemente, um bom retorno financeiro, a cultura do milho deve ser mantida no limpo desde a emergência até o pendoamento, para não sofrer a interferência das plantas daninhas. A eliminação das plantas invasoras propicia menor competição por recursos, que resultará no crescimento mais acelerado das plantas, maior rendimento no tamanho das espigas e, consequentemente, no enchimento dos grãos. Resultados em campo demonstram que a presença de plantas daninhas podem impactar negativamente a produção de grãos da cultura de milho, reduzindo cerca de 30%, quando comparadas às parcelas mantidas no limpo.

Para ajudar nesse manejo, a Bayer oferece aos produtores Soberan, o herbicida capaz de controlar as plantas que competem com a lavoura, sem prejudicar a plantação. Soberan é um herbicida seletivo de alta performance, sistêmico e que atua no controle em culturas de folhas estreitas e folhas largas. A ação do produto ocorre rapidamente, com apenas uma aplicação.

Ao colher na lavoura limpa, o agricultor pode economizar ainda com mão de obra e na manutenção de maquinário, como tratores e colheitadeiras. E com o uso das melhores práticas agrícolas, o produtor pode contar com Soberan, que é líder do setor premium*, tem performance espetacular e mantém a lavoura mais limpa e protegida durante a safra de milho. Afinal, lavoura no limpo é lavoura produtiva.

*fonte: Painel AMIS® Kleffmann Group Summer Corn 2016/17

Redator: Elfrides Júnior

Foto: Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC)

Soberan: o aliado nas lavouras do Brasil

Herbicida do mercado capaz de controlar o mato que compete com a lavoura completa 10 anos em 2018

Data: 09/02/2018


Herbicida para cultivo de Milho - Soberan


Herbicida líder no setor premium prova sua eficiência há uma década

Ervas daninhas de difícil controle e resistentes continuam tirando o sono do produtor rural, todos os anos. E encontrar novos herbicidas eficazes também se torna cada vez mais complicado. Sendo assim, o agricultor precisa diversificar as estratégias de controle de plantas daninhas para evitar o aumento da resistência delas na lavoura. A utilização do manejo integrado de plantas daninhas é, então, um importante aliado no controle de pragas e doenças. Aliás, sem esses cuidados, as consequências podem ser devastadoras.

Além disso, manejar é uma das formas mais práticas e econômicas de manter as plantas daninhas resistentes sob controle e ainda evitar o surgimento de novas espécies com resistência. Neste caso, a intenção é reduzir a pressão das plantas invasoras e mantê-las dentro de níveis aceitáveis de controle, o que permite que os herbicidas funcionem corretamente, reduzindo ainda a pressão de seleção para a resistência. Portanto, cabe ao produtor e sua equipe buscar orientação técnica e manejar de forma adequada a lavoura.

Neste contexto, a Bayer oferece ao produtor rural, um herbicida único, capaz de controlar o mato que compete com a lavoura, protegendo das ervas de difícil controle e resistentes: Soberan. O herbicida é líder no mercado de herbicidas premium e completa 10 anos em 2018. Neste período, Soberan trouxe facilidade ao produtor rural; e um controle fora do normal no campo.

A ação de Soberan ocorre rapidamente, com apenas uma aplicação. Por ser um herbicida de alta performance, sistêmico e que atua em pós-emergência, Soberan possibilita o controle em culturas de folhas estreitas e folhas largas. E continua sendo a melhor ferramenta para prevenir e manejar ervas daninhas de difícil controle e resistentes. Afinal, a biotecnologia veio como mais uma ferramenta ao produtor rural.

Sabemos que muita coisa mudou nesses 10 anos: hoje o milho segunda safra - ou safrinha, se tornou a safra de milho mais importante do Brasil e os produtores de milho verão romperam a barreira das 250 sacas por hectare. E Soberan continua sendo o parceiro do produtor. Mesmo após uma década de mercado, Soberan tem performance espetacular, sendo fundamental para manter a lavoura mais limpa e protegida.

E o produtor rural é o protagonista desta história de sucesso: ele confiou na Bayer e no Soberan, que é hoje a marca líder do segmento e a mais lembrada. Ao longo desses 10 anos, o produtor adotou sementes de milho mais produtivas, aumentou o uso de fungicidas para proteger as lavouras contra doenças, e também intensificou a proteção contra ervas daninhas, com o uso de Soberan. Assim, o herbicida da Bayer também ajudou a elevar o nível de produtividade das fazendas. Desta forma, ficamos felizes em ter auxiliado o agricultor a produzir cada vez mais e melhor.

Esperamos que Soberan continue dentro das lavouras de milho, ajudando os produtores brasileiros a colherem cada vez mais milho e soja, trazendo segurança e auxiliando principalmente no manejo sustentável de plantas daninhas. Conte conosco e com Soberan!

Autor: Danilo Kashiwakura - Engenheiro Agrônomo especializado em: Milho, Feijão, Trigo e Arroz.
Editado por: Elfrides Júnior

Foto: Agro Bayer

Manejo integrado auxilia no combate de plantas daninhas resistentes

Com as melhores práticas agrícolas, o produtor rural pode aumentar a produtividade e controlar o mato que compete com a lavoura

Data de publicação:
15/01/2018

Manejo correto de plantas daninhas é a melhor saída contra a resistência
Manejo correto de plantas daninhas é a melhor saída contra a resistência

A ocorrência de plantas daninhas resistentes a herbicidas é um problema global e uma realidade em vários países, inclusive no Brasil. Plantas daninhas são a principal causa de perdas de colheitas em nível mundial, causando elevados custos de gestão e ameaçando a segurança alimentar. Sem herbicidas, o setor agrícola teria de enfrentar uma perda média de 30% nos seus rendimentos com as lavouras.

No entanto, muitos produtores rurais ainda não se conscientizaram deste problema que vem crescendo a cada safra. E o número de plantas daninhas resistentes a herbicidas cresce rapidamente: até agosto de 2015, cerca de 250 plantas daninhas diferentes desenvolveram resistência em 86 culturas e 66 países*. Para piorar esse quadro, 25% das mais comuns plantas daninhas já são resistentes a um ou mais modos de ação de herbicidas disponíveis no mercado.

Encontrar novos herbicidas eficazes se torna mais difícil a cada ano. Por isso, os produtores rurais precisam diversificar as estratégias de controle de plantas daninhas para evitar o aumento da resistência, além de ajudar a reduzir o acúmulo de sementes de plantas resistentes no campo e de preservar a eficácia das soluções de controle atuais.

Assim, o manejo integrado de plantas daninhas se torna cada vez mais um importante aliado no controle de pragas e doenças. Sem esses cuidados, as consequências podem ser devastadoras. Além disso, manejar é uma das formas mais práticas e econômicas de manter as plantas daninhas resistentes sob controle e ainda evitar o surgimento de novas espécies com resistência.

O objetivo neste caso é reduzir a pressão das plantas invasoras e mantê-las dentro de níveis aceitáveis de controle, permitindo que os herbicidas funcionem corretamente, o que também reduz a pressão de seleção para a resistência. Portanto, cabe a cada agricultor buscar orientação técnica e manejar de forma adequada sua propriedade, fazendo frente a essa nova realidade das lavouras.

Utilizar herbicidas de mecanismos de ação diferentes para o manejo das plantas daninhas são alguns dos procedimentos que compõem esse manejo integrado, como as medidas de controle não químicas: rotação de culturas e controle de sementes de plantas daninhas pós-colheita.

Para escolher o herbicida, o produtor deve levar em conta que o uso contínuo de produtos com o mesmo mecanismo de ação sobre a mesma espécie de planta invasora resultará no surgimento de biótipos resistentes. E para conter o avanço, o agricultor precisa fazer mudanças nas práticas de manejo utilizadas, sendo necessário alternar constantemente essas ações, visando evitar ou retardar o aparecimento da resistência nas plantas daninhas.

Com as melhores práticas agrícolas, o produtor pode contar com o Manejo Integrado de Plantas Daninhas da Bayer, que é uma ação global para aumentar a produtividade e garantir a geração de alimentos seguros a longo prazo, oferecendo soluções para o controle dessas espécies. Neste contexto, a Bayer oferece aos produtores o Soberan, o único herbicida do mercado capaz de controlar o mato que compete com a lavoura, sem prejudicar as plantas. A ação do produto ocorre rapidamente, com apenas uma aplicação. Soberan é um herbicida de alta performance, sistêmico e que atua em pós-emergência, possibilitando o controle em culturas de folhas estreitas e folhas largas.

Crédito: Elfrides Júnior
Foto: Agência de Notícias Embrapa
*fonte: Heap, I., The International Survey of Herbicide Resistant Weeds, https://weedscience.org

Downloads

pdf

Bula

file

Plantas Daninhas resistentes a herbicidas no Brasil

pdf

Manejo de Plantas Daninhas no Sistema