8 MIN DE LEITURA

Preparando o solo para a safrinha? Conte com a agricultura digital

13 de dezembro de 2023

O Brasil tornou-se o maior produtor de milho na última safra, mas ainda existe uma lacuna entre o que é produzido e o potencial que o país pode alcançar. Dentre os maiores produtores do grão, somos o país com a maior capacidade para o aumento da produção, e o segredo para isso está na compreensão dos fatores que causam a redução da eficiência das lavouras. Essa é uma atividade que requer o uso de diversas técnicas. Confira as principais:

 

Análise do solo

A análise do solo possibilita o diagnóstico completo das áreas e condições de fertilidade. Dessa forma é possível determinar a quantidade e quais fertilizantes precisam ser aplicados na lavoura.

 

Planejamento das vias de acesso

Essa técnica reduz a erosão e a compactação do solo, visando principalmente o mínimo de impacto para as plantas que ficam próximas a essas entradas. Em alguns casos, pode ser necessária a construção de canais de escoamento, bacias de armazenamento e infiltração do excesso de água. 

 

Densidade da cobertura vegetal

A escolha das variedades de milho possibilitam uma cobertura mais densa, aumentando a proteção do solo contra intempéries e promovendo um microclima mais favorável para o crescimento da lavoura.

 

Manejo dos restos culturais

Os manejo dos restos culturais impactam positivamente na qualidade do solo, conservando a umidade e favorecendo a atividade dos microrganismos ali presentes. Mas atenção: o excesso de palhada pode prejudicar a passagem dos maquinários, a emergência das plântulas e favorecer o desenvolvimento de pragas e doenças. 

 

Sistema de preparo do solo

O preparo do solo pode ser convencional, com aração e gradagem, ou conservacionista, por meio do sistema de plantio direto ou cultivo mínimo. 

Se por um lado o plantio convencional favorece a aeração e infiltração de água no solo, por outro, aumenta a erosão e a perda de umidade. Já o manejo conservacionista precisa de maior atenção no controle das plantas daninhas, na compactação do solo e na germinação das sementes. Porém, reduz a mão de obra, aumenta o teor de matéria orgânica e diminui a perda de água.

"O plantio direto é a melhor opção para o preparo do solo, principalmente em relação à conservação de água, a manutenção da palhada, o custo e o tempo que o produtor tem para plantar o milho safrinha, que conta com uma janela extremamente curta", explica João Carlos Cardoso Galvão, professor titular da Universidade Federal de Viçosa.

 

Agricultura digital é a sua aliada para maximizar resultados

Para auxiliar na execução de todas essas atividades, a agricultura digital ajuda os produtores a terem informações mais precisas para esse procedimento. A plataforma Climate FieldView™, da Bayer, permite integrar os resultados da análise de solo com outras informações, gerando mapas precisos sobre as características do solo da sua propriedade.

"O que Climate FieldView™ faz é captar esses dados para auxiliar o agricultor a gerar informações. Temos uma ferramenta de imagem de satélite que permite ao agricultor saber o que está acontecendo na evolução da cultura. Outro ponto forte são os insights, os valores agronômicos que a Bayer consegue oferecer", conta João Gonçalves, coordenador de suporte e engajamento de clientes na Bayer.

Com essa tecnologia, você tem dados para conhecer detalhes de cada metro quadrado da propriedade. E não para por aí: durante o período de safra, o uso de Climate Fieldview™ consegue projetar os ganhos por híbrido, verificar a performance das sementes, ajustar o maquinário em tempo real, além de detectar os problemas nas operações com agilidade e de forma remota.

Com todas essas facilidades nas mãos, você otimiza seus investimentos e fica muito mais fácil fazer o planejamento do plantio à colheita para maximizar a sua produção.