5 MIN DE LEITURA

Saiba mais sobre o manejo de plantas daninhas no milho safrinha

28 de fevereiro de 2023

A produção de milho segunda safra, também conhecido como safrinha, é uma excelente oportunidade para os agricultores obterem receita durante a entressafra. A safrinha se popularizou graças ao desenvolvimento de cultivares de soja com ciclo mais curto, permitindo assim o segundo ciclo. Além disso, atualmente é possível cultivar híbridos de milho mais produtivos nesse período, mesmo com a diminuição da precipitação pluviométrica.

O milho safrinha promove grande benefício econômico por ser o segundo plantio de milho no mesmo ano agrícola. Por outro lado, existem certos desafios a serem enfrentados, sendo as plantas daninhas do milho safrinha um dos fatores que podem prejudicar o seu desenvolvimento.

Neste contexto, proteger a produtividade do milho safrinha é prioridade máxima.

Continue esta leitura para conhecer uma estratégia de manejo de plantas daninhas no milho safrinha e saiba quais são as plantas invasoras que mais afetam a cultura.


AS PLANTAS DANINHAS QUE IMPACTAM O MILHO SAFRINHA

As plantas daninhas que possuem potencial para impactar bastante o milho safrinha, principalmente quando germinam durante o estágio inicial da cultura, são:

Corda-de-viola

A Corda-De-Viola (Ipomea sp.) é uma planta daninha que disputa água, luz e nutrientes com a cultura do milho e pode causar impactos em maquinários utilizados para diversos fins na lavoura. É uma espécie de folha larga que ainda não registrou resistência contra herbicidas, mas que se torna de difícil controle quando atinge estágios avançados.

Buva

A Buva (Conyza bonariensis) é uma planta daninha de folha larga que já apresenta resistência a herbicidas. Manejar esta planta invasora durante a safrinha é um desafio pois exige o uso de diferentes herbicidas combinados que sejam seletivos à cultura do milho. Quando a buva germina nas fases finais da safrinha, o impacto na produtividade tende a ser maior devido a Matocompetição.

Capim-amargoso

O capim-amargoso (Digitaria insularis) é uma planta que se reproduz durante o ano todo e que também já foi registrado como planta resistente a herbicidas. Além da matocompetição, a dificuldade para manejar esta espécie também impacta o agricultor. Tanto o capim amargoso quanto o milho são plantas de folha estreita, o que dificulta muito a estratégia de rotação de herbicidas seletivos ao milho.


Como realizar o manejo das plantas daninhas no milho safrinha?

Os Estágios Iniciais Da Cultura Do Milho São Fundamentais para que a planta possa expressar seu potencial produtivo durante toda a safra. Além disso, durante a safrinha de milho, o manejo de plantas daninhas resistentes ou de difícil controle é muito complexo e caro.

Por estes motivos, a principal estratégia de manejo de plantas daninhas do milho safrinha é preventiva: iniciar o monitoramento durante a fase final do ciclo da soja.

O manejo de plantas daninhas no milho safrinha deve ser realizado da seguinte forma:

  • Dessecação no final da cultura de verão
    Antes mesmo da colheita de culturas de verão, como soja, milho ou algodão, é importante que as plantas daninhas estejam controladas. Além de facilitar a colheita e proteger a produção de impurezas, a aplicação de herbicidas seletivos à cultura cultivada reduz bastante a pressão de plantas daninhas na entressafra.
  • Dessecação pré-plantio
    Até 30 dias antes do plantio do milho safrinha (últimos 30 dias de ciclo da soja), é importante que a lavoura seja monitorada para a identificação de plantas daninhas. Nesta etapa, é possível identificar as diferentes espécies presentes na lavoura e utilizar herbicidas adequados para cada situação. Sem a cultura do milho no campo, o manejo de plantas como capim-amargoso, buva, ou corda-de-viola fica muito mais fácil.
  • Aplicação de herbicidas pré-emergentes
    Para proteger a emergência da cultura do milho, é recomendado utilizar Herbicidas Pré-Emergentes. Este tipo de produto pode ser aplicado logo após o plantio, em um método conhecido como “plante e aplique”. A finalidade deste manejo é controlar plantas daninhas que podem germinar e emergir junto com o arranque inicial do milho.

Os benefícios da adoção desta estratégia são:

  • Manejo inteligente de plantas daninhas, com foco na redução de pressão de seleção de plantas resistentes;
  • Plantio No Limpo;
  • Redução do impacto de plantas daninhas na produtividade do milho safrinha;
  • Economia no uso de herbicidas;
  • Maior rentabilidade para o produtor de milho.

Vale lembrar que, dos poucos herbicidas para folha estreita seletivos ao milho, nenhum se mostra eficiente para manejar o capim-amargoso - planta que ocorre com frequência após o cultivo da soja.

Para saber mais sobre o manejo de plantas daninhas no milho safrinha, entre em contato com um representante Bayer em sua região, ou acesse um engenheiro agrônomo de confiança.