7 MIN DE LEITURA

Foco no manejo da lagarta-do-cartucho na cultura da soja

25 de março de 2024

lagarta-do-cartucho

O foco no manejo da lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) na cultura da soja é fundamental para proteger a produtividade da lavoura e a qualidade dos grãos. Muito conhecida por afetar a produção de milho, este inseto polífago também é relevante na sojicultura por afetar o desenvolvimento inicial das plantas, e o rendimento do cultivo na fase reprodutiva.

Para evitar as perdas que podem ser causadas pela lagarta-do-cartucho, os produtores de soja precisam adotar o manejo integrado de pragas, considerando um bom monitoramento e o uso de produtos eficiente.

Com o objetivo de auxiliar agricultores e técnicos, preparamos este artigo, onde vamos apresentar características da lagarta, e estratégias de manejo recomendadas por instituição referência no agronegócio.

A lagarta-do-cartucho

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), a lagarta-do-cartucho é uma das pragas que mais se aproveita do sistema de plantio direto, e da presença de plantas daninhas durante o cultivo da soja. Além disso, o inseto se alimenta e encontra abrigo em gramíneas, como o milho e o arroz, e na cultura do algodão.

Ainda segundo a instituição, a lagarta ataca plântulas, hastes e pecíolos das plantas de soja. A ocorrência desse inseto na lavoura é comum tanto nos estágios iniciais da cultura quanto na fase reprodutiva.

Características da lagarta-do-cartucho

Conforme a Embrapa, o comportamento da lagarta-do-cartucho varia de acordo com seu estágio de desenvolvimento. O inseto pode ser visto na lavoura em fase lagarta e mariposa.

Durante a fase mariposa, o inseto pode ser encontrado nas folhagens da soja, próxima ao solo, ou nas folhas da planta durante o dia. Enquanto lagarta, a praga se abriga sob a palhada ou torrões durante o dia.

Para identificar esta praga na lavoura, é importante observar características como, coloração que varia de marrom a preta, e listras amareladas ao longo do corpo, que se prolongam até a cabeça. Quando estão prestes a iniciar a fase pupa, podemos ver uma faixa anelar preta logo após as patas torácicas, e outra no final do abdômen.

A estrutura das patas do inseto é constituída por três pares de pernas no tórax, e cinco pares de pernas no abdome. A mancha em formato de “Y” invertido na parte frontal da cabeça também ajuda a identificar a lagarta no campo.

Impactos da lagarta-do-cartucho na cultura da soja

Segundo a Embrapa, a Spodoptera frugiperda causa maiores impactos na lavoura de soja durante sua fase lagarta. O comportamento da praga nesta etapa de desenvolvimento envolve busca por alimento e sobrevivência durante a entressafra, e na safra de soja.

Após a colheita do milho, as lagartas S. frugiperda se abrigam na cultura de cobertura ou plantas daninhas que serão dessecadas antes do plantio soja. Neste cenário, o inseto consegue encontrar abrigo e alimento mesmo na ausência de um hospedeiro preferencial.

Durante a safra de soja, a lagarta busca por alimento à noite ou em dias nublados. Quando o alimento acaba, as lagartas migram em bandos para outros ambientes ao redor da lavoura em busca de alimento.

Ao se alimentar da cultura da soja, os impactos causados pela lagarta-do-cartucho são diversos, e variam conforme o estágio de desenvolvimento da lavoura.

Quando o ataque da praga acontece nos estágios iniciais da planta de soja, as plântulas e cotilédones podem ser cortadas, o que reduz o estande da lavoura. Em estágios avançados da cultura, a S. frugiperda ataca as folhas e vagens da soja para se alimentar.

Em ambos os casos, a consequência direta do hábito alimentar da lagarta-do-cartucho em lavouras de soja é a redução da produtividade da lavoura.

Plantas daninhas favorecem a lagarta-do-cartucho

O estudo realizado pela Embrapa Milho e Sorgo, de Minas Gerais, concluiu que plantas daninhas podem manter a lagarta-do-cartucho no campo durante a entressafra.


Na pesquisa realizada pela instituição, foram analisadas seis espécies de plantas daninhas. Ambas foram escolhidas porque apresentam histórico de resistência ao glifosato, e geralmente conseguem permanecer no campo por mais tempo.

A experimento revelou que a sobrevivência de S. frugiperda foi significativamente maior em capim-pé-de-galinha (Eleusine indica) e sorgo selvagem (Sorghum halepense). Por outro lado, a pesquisa constatou que buva (Conyza spp.), trapoeraba (Commelina benghalensis), capim-amargoso (Digitaria insularis) e caruru (Amaranthus spp.) não são hospedeiras da lagarta-do-cartucho, pois foram as plantas menos adequadas para o desenvolvimento da praga.

A partir destes resultados, a Embrapa considera que a persistência da lagarta-do-cartucho no campo pode estar diretamente relacionada ao controle ineficiente de plantas daninhas durante a entressafra.

Neste contexto, é preciso reforçar que para proteger a cultura da soja do ataque da lagarta-do-cartucho é necessário realizar o manejo integrado de pragas (MIP) e o controle de ervas daninhas durante a entressafra.

Manejo da lagarta-do-cartucho na cultura da soja

O manejo integrado da lagarta-do-cartucho na cultura da soja deve começar na entressafra, e continuar ao longo do cultivo da soja. Conheça recomendações importantes para estes dois momentos:

Controle de plantas daninhas na entressafra
É recomendado realizar uma dessecação eficiente da cultura da cobertura e o manejo correto de plantas daninhas, com maior atenção para ervas resistentes. É importante que seja adotada a rotação de herbicidas com a finalidade de reduzir a pressão de seleção de espécies resistentes ou tolerantes ao glifosato e demais tecnologias.

Controle da lagarta-do-cartucho na entressafra
O uso de inseticidas na dessecação antecipada só é recomendado se forem encontradas lagartas na lavoura. Caso o monitoramento identifique lagartas até 25 dias antes do plantio da soja, as pragas devem morrer pela ausência de alimento. Se o plantio for planejado para logo após a dessecação, inseticidas podem ser pulverizados.

Manejo de S. frugiperda na safra de soja
É importante adotar sementes tratadas com inseticidas para controlar a lagarta após a emergência da cultura. No entanto, mesmo com um bom trabalho de manejo realizado antes do plantio, o monitoramento com pano de batida deve prosseguir até o fim da safra de soja. Ao identificar o inseto na lavoura durante o desenvolvimento da cultura, é indicado o uso de inseticidas, de preferência durante à noite, quando a S. frugiperda busca por alimento.

Para maximizar a proteção da cultura da soja, e otimizar o manejo da lagarta-do-cartucho, a Bayer disponibiliza os inseticidas LARVIN®, BELT® e CERTERO®. Ambos os produtos são registados para proteger a produção de soja da lagarta-do-cartucho, e das pragas lagarta-da-soja (Anticarsia gemmatalis), lagarta-falsa-medideira (Chrysodeixis includens), lagarta-das-folhas (Spodoptera eridania), broca-das-axilas (Crocidosema aporema), Helicoverpa armigera e Rachiplusia nu.

No vídeo abaixo, você pode saber mais sobre o monitoramento e manejo de lagartas que afetam a soja: